top of page
27_-compressor.jpg
Kutch_Brown-compressor.png

CAPÍTULO I . TÊXTEIS ESTAMPADOS

Ajrakh Block Print

Ajrakh: o magnífico tecido de Sindh e de Kutch.

ERA UMA VEZ...

Havia um rei de Sindh (hoje, no Paquistão), que costumava dormir todas as noites em lençóis novos. Um dia, quando o seu servo estava prestes a mudar a roupa de cama, o rei disse-lhe: "Aaj Rakh" ("mantem-na hoje"). Era um bonito lençol impresso à mão com carimbos de madeira (blockprint ) que veio a ser referido como Ajrakh, o magnífico tecido de Sindh e de Kutch (Gujarat, Índia).

Nos dias de hoje, para os estampadores de Kutch, Ajrakh significa "mantém hoje". Esta palavra também pode estar ligada a Azrakh, o que significa  "azul " em árabe, uma vez que o Indigo é uma das principais cores neste têxtil; ou mesmo para a palavra sânscrita A-jharat, que significa  "que não se desvanece ".

No século XVI, o Ajrakh foi trazido para Dhamadka (Kutch), uma aldeia perto do Rio Saran, de água salina - boa para o tingimento de panos Ajrakh. O leito do rio era também uma boa fonte de alumén natural, um ingrediente crucial para o  tingimento de tecido.

Na década de 1940, as cores químicas brilhantes e os tecidos sintéticos lotaram os mercados, colocando a estampagem Ajrakh em "modo pausa". Nos anos 60, esta técnica artesanal re-nasceu graças aos artesãos locais e aos esforços de certos investidores.

OS MESTRES DE AJRAKH: A COMUNIDADE KHATRI

Antes do devastador terramoto que atingiu Gujarat em 2001, a comunidade Khatri praticava a estampagem Ajrakh na aldeia de Dhamadka, no distrito de Kutch. Organizações governamentais e não-governamentais relocalizaram, então, os artesãos para a aldeia relativamente nova de Ajrakhpur, fundada em comemoração da impressão Ajrakh e seus mestres artesãos. A comunidade Khatri não é apenas conhecida pelo seu domínio de estampagem Ajrakh em Gujarat, mas também por outras técnicas têxteis tradicionais, como o Bandhani.

No entanto, foram as famílias Khatri residentes em Ajrakhpur, que se tornaram conhecidas por se sobressair na estampagem Ajrakh e que, hoje, continuam as técnicas tradicionais de seus antepassados. Nos últimos tempos, os produtores mestres de Ajrakh, da comunidade Khatri , têm instruído os membros da comunidade muçulmana Harijan na produção de tecidos estampados Ajrakh. Isto assegura, assim, que esta técnica não desapareça no futuro. Demonstra também a versatilidade dos artesãos tradicionais indianos assim como a integração das técnicas têxteis tradicionais na moda contemporânea.

Numerosas iniciativas governamentais e não-governamentais continuam a contribuir para a conservação e subsistência das tradições da estampagem Ajrakh, e do estilo de vida dos seus artesãos.

A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA

A qualidade da água desempenha um papel vital em todo o processo de Ajrakh. O grande terramoto de Bhuj, em 2001, trouxe mudanças ambientais: o teor de ferro da água do Rio Saran aumentou, tornando-o inadequado para a técnica.

Metade dos artesãos de Dhamadka decidiu mudar-se para uma nova aldeia e deu-lhe o nome de Ajrakhpur - um exemplo de reconstrução de vidas a partir do zero. Na aldeia, foi construído um sistema de captação de águas pluviais, indicando que a sustentabilidade era uma consideração importante no planeamento da povoação.