top of page
3_-compressor.jpg
Thar_Brown-compressor.png

CAPÍTULO I . BORDADOS

Sindhi Muslim

Parte das vidas das mulheres do deserto e um índice de competências  e estatudo.

OS SINDH SIPAHI

Os Sindh Sipahi são subdivididos em várias tribos, cuja origem é a mesma das tribos Sindhi Rajput do Paquistão.

A comunidade é, atualmente e principalmente, agricultora e sedentária, embora muitos ainda sejam pastores. A maioria das suas aldeias estão situadas no Deserto do Thar (fronteira natural entre a Índia e o Paquistão) e são afetadas por mudanças ambientais.

Originalmente, migrantes do Paquistão, estes Hindustani estabeleceram-se em aldeias situadas na fronteira indiana. Criadores de gado e agricultores por ocupação, mais tarde e com o apoio do governo indiano, receberam terras agrícolas.

UMA TÉCNICA ARTESANAL NO FEMININO

Enquanto os homens vão para o campo, as mulheres ocupam-se com as atividades domésticas, com as crianças e ajudam na agricultura. Elas assim o aprenderam desde novas, já que a idade média para se casar é de 18 anos, às vezes até mais cedo... Elas vivem em famílias nucleares - uma casa tem em média 7-8 membros, incluindo 3-4 filhos.

Durante os meses de Março-Abril e Outubro-Novembro (meses de colheita e festas), o dia destas mulheres começa às 4h e termina às 22h e, mesmo assim, existe tempo para bordar.

UMA TRADIÇÃO, UMA EXPRESSÃO

O bordado à mão faz, desde sempre, parte da vida destes habitantes do deserto, ora como acessório diário e como marca das suas competências (por exemplo, durante casamentos). Todas as oferendas feitas ao noivo são bordadas à mão - até mesmo os objetos mais inimagináveis, como dinheiro, bidi (cigarro fino ou mini-charuto cheio de flocos de tabaco e geralmente embrulhado em folhas amarradas, com um barbante numa extremidade), pacotes de desinfetantes para a boca, etc. - são adicionados à peça bordada!

São feitos muitos tipos de bordados. Para estas artesãs, bordar tem sido uma expressão, um motivo para se sentarem em grupo, tem sido as lembranças passadas de mãe para filha e um motivo de orgulho. Estas são pessoas enraizadas culturalmente.

Práticas antigas como estas são ainda seguidas, exceto algumas que perderam relevância devido à globalização.